quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Eu já sei... (Diário da Mirys)


Outro dia 23. O 11o. Já vi esse filme antes e, definitivamente, eu não gosto do final.

É terrivel aquela sensação de "eu já sei que dia é hoje"...

7hs = eu me lembro o que estava fazendo nesse horário (namorando)...

8hs e pouco = nessa hora, ganhei o último daqueles deliciosos sorrisos com duplo sentido, sentada no sofá da sala, assistindo o Guigo jogar video-game, com o Fer...

Sei o que aconteceu às 9hs, às 10hs, às 13hs, às 17hs...

Só torço para não chegar às 20hs! Torço muito! Mas ela sempre chega. E, com ela, aquele sentimento de "eu me lembro" que me acompanhou em cada horinha do dia. Mas o sentimento das oito da noite é pior... Ganhei meu último selinho. Meu último "love you". Meu último beijo "decente" (como nós chamamos naquele trágico dia 23 de janeiro). E ele saiu para levar a uma parte da nossa família para a casa dela...

No caminho, parou para ajudar alguém. No caminho, Deus mudou meus planos. E, desde então, eu tento encontrar o meu caminho, de novo... mas é tão difícil, Fer, é tão difícil!...

Por isso, eu sei e-x-a-t-a-m-e-n-t-e como vai ser o meu dia de hoje. Porque, por mais que eu tente (e eu tento! Ah, eu tento...), eu sei decór e salteado o que se passou em cada horinha do dia 23.01 e todos os 23, depois disso, parecem ser iguais. Só que esse é na véspera do Natal!

Deus, me leva no colo, mais uma vez, por favor?...

9 comentários:

Bina disse...

Mirys, por mais que escreva... escreva... escreva... você nunca vai conseguir expressar o que sente todo dia 23 e em todos os momentos e nem as outras pessoas irão conseguir imaginar o que sente, por mais que digam... "ai, eu imagino".
Mas, passei aqui para te dizer que sempre peço a Deus que fortaleça e encha o seu coração a cada dia e te complete em todos os sentidos, por mais que falte uma pecinha no quebra-cabeça da sua vida. Que o infinito amor de Deus seja essa peça.
Essa foto é lindissima, diz tudo o que sentiam um pelo outro. Vocês estão maravilhosos, vocês SÃO maravilhosos!!!
Você é linda e tudo o que o Fer deixou em nossa mente e em nossos corações é lindo!!!
Bjs, amo você, amiga!!!
CONTE SEEEEEEMPRE COMIGO!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos modificar, coragem para modificar aquelas que podemos e sabedoria para distinguir umas das outras.

Vanessa - RS

Débora disse...

Mirys,essa etapa é realmente dificil...Não posso imaginar como vai ser sua tragetoria daqui pra frente(afinal você perdeu o marido,eu foi o papai,portanto sentimentos diferentes,eu acho!).
Se servir de consolo a minha fase de relembrar o que fazia a cada minutinho do dia(vamos trocar experiencias,igual quando temos filhos pequenos...conversas de comadres)durou até o segundo ano.
Hoje,(4 anos)isso não acontece mais.Sempre sei que dia é,mas é diferente.
Absolutamente todos os dias eu penso nele,e todos os dias ele me faz falta.Mas aquela dor de arrepiar(você sabe)aparece menos,embora a saudade as vezes,mas só as vezes também doa muito.
O Donizeti diz que tudo na vida é um processo(advogados...),então sigamos em frente!É o processo!
Super beijo

danibadanai disse...

.."entra na minha casa, entra na minha vida, mexe com minha estrutura, sara todas as feridas..
faz um milagre em mim!"

Marília disse...

Miry´s, o Pai sempre nos leva no colo, a gente que não toma consciência disso. Que Ele mais uma vez dê conforto e forças para continuar. Que Ele continue a colocar "anjos" no seu caminho e que eu possa ser um deles, mesmo longe. Beijo!

Aline Silva Dexheimer disse...

Estou conhecendo tua história só agora, mas já li muito e me emocionei bastante com ela. Eu também escrevo como terapia e minha terapia gerou um livro: Chama-se O Brilho Oculto. Cada um tem sua jornada. És muito forte e tem uma linda familia. Deus sempre te levará no colo. Teu blog poderia ser um livro sim. Eu publiquei o meu na Amazon.com - Fica a sugestão. Beijos.

Anônimo disse...

Sei exatamente o que é isso, reviver o dia fatal, minuto a minuto. O meu dia trágico é 27 (meu marido faleceu dia 27 de setembro de 2011, aos 35 anos), e doí muito, queria poder voltar no tempo e não deixar ele sair de casa naquele dia... queria dar mais um abraço, mais um beijo, mas naquele dia foi apenas um "tchau", como se a gente daqui a pouco fosse conversar novamente. Não tem volta, infelizmente, não sei como vou aguentar.

Ana Virgínia disse...

Compartilho com você as dores dos dias 23.

Debby disse...

Oi Myris.. querida
Só posso dizer que passa mas a saudade vai amortecendo cada impacto desta dor. Sei disso pois meu dia fatal, trágico e que as vezes queria dormir e acordar uns 2 dias depois é justamente o dia de meu aniversário 31/08 foi quando dia 01/09 minha mãe recebeu o telefonema do Hospital Geral falando sobre o estado de meu irmão que faleceu neste mesmo dia.
Então!! desde esse 2001 ... meu aniversário perdeu completamente a graça... é um dia nada especial para mim.
Bjs consoladores e recheadinhos de paz
Debby :)