quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

"O que eu aprendi em 2011" by Marcele Alencar

Vocês já sabem que eu A-DO-RO a Cele, né? Um dos melhores presentes que essa blogsfera me deu foi a amizade dessa menina linda, alegre, incorrigível, batalhadora, dona de uma habilidade de escrita incrível (visitem o blog dela!), que mora em Fortaleza! A única parte ruim, de verdade, em relação à Cele, é que ela mora muito longe... Porque não tem uma só semana em que eu não pense "poxa... bem que seria bom se a Cele morasse pertinho... a gente sairia tomar uma cerveja, agora, e colocaria o papo em dia!..."

Mas, eu já falei dela aqui, aqui e aqui... E não quero ser repetitiva. Mas acho que falei pouco...

Então, pra mim, nada mais especial, honroso e bárbaro do que começar a nossa série especial de dezembro "O que eu aprendi em 2011" com ela! Senhoras e senhores, com vocês: Marcele Alencar!!! Preparem-se para ganhar uma lição de vida!!!!

Eu comecei 2011 no afã de que ele passasse mansinho. Comecei com o peso da tragédia que fez aniversário em janeiro, mas pedindo que ele corresse tranqüilo, sem sustos, sem sobressaltos. Eu bati meus pés em 2011 com a frase do Caio Fernando Abreu em mente: não precisa me surpreender, basta não me decepcionar.

Para o ano que se iniciava, era uma tarefa bem fácil ser melhor que 2010, quando meu mundo desmoronou. Sem expectativas, sem anseios, sem apostas, sem sonhos, 2011 tinha tudo para ser um ano normal, daqueles bem sem sal, nada demais para recordar. Não houve promessas de Ano Novo, não houve pedido para o Papai Noel, nem na hora da virada, não houve olhos fechados e oração para ser feliz, como eu costumava fazer até então. Eu só queria que ele gastasse suas horas, seus dias, suas semanas, seu meses até o fim, sem jogar minha vida no olho do furacão de novo. Lembro-me bem de um certo pânico no início e um cambalear da esperança que sempre me moveu, lembro-me do desejo que 2011 começasse e passasse, trazendo no seu tempo a superação, a resiliência e a vida nos eixos de que eu tanto precisava.

Porém, a vida é bordadeira de surpresas e nós não temos mesmo controle algum sobre o futuro. A vida é, por si só, cheia de acasos, de curvas no meio do caminho, de rotas contraditórias... É assim, caminhando, que se percebe que aquilo que parece completamente sem sentido no momento inicial acaba fazendo muito sentido lá na frente. Cada viés, cada revés, cada reviravolta que ela dá, traz em si um ensinamento; e é justamente no aprendizado diuturno que acabamos nos tornando mais capazes e preparados para encarar, reconhecer e agradecer o que é ofertado pelo caminho. Nem sempre o que vem é o que se quer, nem sempre é do jeito que se planejou, nem sempre nossos desejos mais íntimos e mais verdadeiros são satisfeitos pelo simples fato de que não depende exclusivamente da nossa vontade e do nosso esforço. Ainda assim, vale a pena.

Eu não estava preparada para 2011, mas ele tinha muito mais reservado para mim e eu tinha esse anseio de conseguir superar e essa vontade danada de ser feliz de novo. Muito mais que calmaria, muito mais que paz, muito mais que recomeço, muito mais que mansidão, 2011 foi um ano de grandes lições. Tenho um rol de ensinamentos deste ano e os divido com vocês:

Eu aprendi em 2011 que a m(p)aternidade é o maior de todos os amores que podemos sentir e que ele é capaz de operar milagres nas nossas vidas.

Eu aprendi em 2011 que coisas muito boas acontecem depois que coisas muito ruins aconteceram. É como recompensa, é como presente de Deus, é como anestésico que permite prosseguir, mas não tem nada a ver com merecimento. Ninguém merece coisas ruins, ninguém mesmo. E fazer tudo do jeito certo não significa estar imune a elas. Não nos é dado entender, mas é preciso olhar para frente SEMPRE com esperança.

Eu aprendi em 2011 que é preciso muito mais coragem para arriscar ser feliz de novo que para sobreviver ao pior momento, porque, depois da tempestade, há o medo, a dúvida, o incerto, a angústia e a insegurança de que o pior aconteça mais uma vez. Não é fácil ser feliz, mas é isso que justifica a nossa existência.

Eu aprendi em 2011 que é muito importante saber quem se tem na vida. A família estará por perto sempre, na saúde e na doença, na alegria e na tristeza. Mais que isso: há amigos que são como irmãos e é maravilhoso compartilhar a felicidade deles e é uma forma de ir tocando em frente quando a alegria de viver desaparece.

Eu aprendi em 2011 que é preciso muito pouco para que seja doce, basta sentir profundo e aceitar o que for bom, que surge em forma de presentes muito bem disfarçados pelo nosso caminho.

Eu aprendi em 2011 que eu não poderia estar em nenhum outro lugar, que cada dor e cada sorriso eram exatamente o que eu tinha de enfrentar; e que há pessoas que entram nas nossas vidas para mudar o curso dos acontecimentos e para afagar nossa alma com o amor que acendem dentro de nós.

Eu aprendi em 2011 que é preciso paciência e persistência para que o sublime aconteça e que é permitido se sentir cansado de tudo no percurso, é permitido fraquejar.

Eu aprendi em 2011 que "não é impossível ser feliz depois que a gente cresce, é só mais complicado" e que tudo, absolutamente tudo, pode ser ressignificado, fazendo com que sejamos surpreendidos com o assalto da felicidade, aquela mesma que sempre se quis, que mais se buscou e que justifica nossa existência no mundo, aquela assim, no superlativo máximo possível.

Obs da Mirys: não percam mais um segundo e leiam TODOS os textos dela que têm links aqui. É só clicar nas palavras em azul/roxo! Prometo que você vai passar um final de semana (e por que não, um final de ano) diferente e com outra visão, depois de ver a vida através dos olhos dela!...

Obs2: Cele, amore, muitíssimo obrigada! Adoro você! TJ é TJ!!!

6 comentários:

Ana Artigas disse...

LIndo, adorei e com certeza vou conhecer o seu blog!!!
Bjos
Ana

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Mirys, parabéns pela fabulosa escolha. Já corri lá no blog da Cele e me juntei aos seguidores.

Cele, muito interessante a sua narração cheia de otimismo e lições de vida. Ainda em 2011 aprendi com a Cele que a vida, bem ou mal costurada, sempre VALE A PENA.

Muito carinho para vocês.
Bençãos e beijos.
Manoel.

Rafaella disse...

Concerteza foi um ano de muito aprendizado...
Que bom que vc conseguiu crescer, superar e tentar ser feliz...
Porque não fazer isso ne?!
Vc precisa!!!
E o ano de 2012 vai ser melhor...
Bjs

Kinha disse...

Bem se vê que você aprendeu bastante.

Anônimo disse...

Realmente Marcelle escreve como ninguém.
Ai a vida.
Beijos

Carina Ferro disse...

Mirys,

Esses posts com depoimentos sobre 2011 estão maravilhosos. Emocionantes demais.
O da Cele, em especial, li aos prantos do começo ao fim.
Desejo que tanto ela, como vcs tenham um 2012 repleto de felicidades do começo ao fim.
Beijos