segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O que eu aprendi em 2011 by Nana Baena

Lá na casa dos meus pais tem SEMPRE muita gente! Também... Nós somos em 12! Papai + mamãe + filhinhos (10). E antes da galera começar a casar e trazer netinhos para essa equação, nós, os irmãos, já trazíamos gente pra aumentar a família!!!! Amigos e amigas íntimos de um dos irmãos frequentavam constantemente a nossa casa, dormiam lá (meu pai não deixava a gente dormir na casa dos outros, mas todo mundo podia vir na nossa! Ele queria estar sempre de olho!), almoçam, jantavam, participavam da nossa vida! E de tão íntimos e constantes que eram, viravam irmãos!

Na casa dos meus pais, hoje, é muito comum a melhor amiga da irmã número 6 chegar para buscar a irmã número 2 pra sair, como se as melhores amigas fossem elas! E quem diz que não são???? Amigo de irmão meu, pra mim, é meu AMIGO, também! Com letras garrafais!!! E se tiver o nome começado com "M", então... dançou! É oficialmente da família!!! A gente já transfere o sobrenome! Porque, lá em casa, a tradição é todo mundo ter nome com "M" (e 7 letras)... e eu já ouvi terceiros perguntando para amiga de irmã minha se ela também era "Ma... Segalla" porque essa seria a conclusão lógica! A pessoa está sempre conosco e tem o nome começado com "M"! "Só pode" ser uma das filhas do meu pai! Rsrsrsrs

Uma das melhores amigas da minha irmã número 5 é um bom exemplo disso tudo. Ela frequenta a casa desde sempre, ela é uma ótima amiga, ela ajuda a levar e trazer irmão mais novo, ela faz correria com a gente em festas (muitas!) que organizamos, ela participa... ela é da família!!!! Ela só não tem a letra "M" como inicial... mas é, praticamente, uma Segalla!!! E é com muita honra que eu divido o pensamento dessa minha irmãzinha mais nova com vocês! Senhoras e senhores, com vocês, Ana Paula Baena (ou Nana, pros íntimos! Fica íntimo, vai? Chama ela de Nana, também!)!

Oi, tudo bem?

Com grande e grata surpresa, recebi esse convite da minha querida sister de coração para participar dessa blogagem coletiva sobre o ano de 2011. Passou rápido, né?! Tão rápido que precisei parar para sentar e pensar bastante sobre o que escrever sobre esse tema...

"O que eu aprendi em 2011?"

Eu até reli meus post desse ano, procurei algumas inspirações na internet, revi alguns acontecimentos para ver quais lições eu poderia tirar para passar para vocês. Não queria escrever um post muito fútil, com colocações pessoais demais. Como a Mirys disse, eu sou “a mais novinha da turma”, por isso acho que ainda não consegui concluir muito bem sobre tudo que aprendi - e ainda estou aprendendo - nesse ano. Vai ver que é a idade...rsrsrs.

Bom, a gente sabe que aprendizado é contínuo, certo?! Hoje, você aprende uma coisa e isso não significa que você irá colocá-la em prática na próxima oportunidade. Acho que eu que eu mais aprendi esse ano é que... eu continuo aprendendo.

Tive muitas alegrias nesse ano que me fizeram ver o valor das verdaderias amizades. E amizade não precisa ser próxima para ser verdadeira. Muitas vezes, as pessoas que realmente se importam com você não estão tão perto quanto você gostaria. Mas, quando você mais precisa ou menos espera, pluft! Essas amizades preciosas aparecem e fazem toda a diferença no seu dia.

Também tive decepções. E, é claro, aprendi de novo (tá vendo como a gente não aprende uma coisa e sempre coloca em prática?! Ás vezes, - ou quase sempre, no meu caso - a gente aprende a mesma coisa váááárias vezes) - que "amigos" também podem te decepcionar. Tive vários momentos nesse ano que eu olhei ao redor e tive aquela pontinha de decepção porque os meus amigos não estavam mais reunidos como antes, muitas vezes por causa de motivos fúteis ou brigas sem sentido. E isso dá uma dor no coração!

Mas, levantando tudo que me aconteceu nesse ano, acho que a maior lição que aprendi é que... "tudo tem seu tempo"

Essa frase aí já vem de um ensinamento da Bílblia do Antigo Testamento. O livro de Eclesiastes - que fala muuuuito sobre isso - apresenta reflexões, conselhos práticos e uma filosofia de vida para transmitir esse conceito. E essa é uma lição que eu venho aprendendo já há alguns anos. Tudo tem seu tempo certo e não adianta a gente querer atrasar ou adiantar a situação, tudo vai acontecer dentro do tempo que Deus tem planejado para sua vida.

Eu sou uma pessoa ansiosa por natureza, daquela que deixa até calmante nervoso. Mas tenho aprendido que nada disso adianta porque minha ansiedade não vai adiantar ou atrasar o processo - só vai prejudicar a mim mesma. Aprendi isso no começo do ano, quando tive que passar - pela primeira vez na vida - por uma procissão de médicos e exames para descobrir que meu problema de saúde tinha um fundo totalmente emocional e que eu precisava relaxar pra melhorar. Fácil falar, mais difícil fazer.

Nesse livro da Bíblia que citei, é apresentado pelo suposto autor Salomão o caminho (Ec 2.24) da busca pelos prazeres para constituir a justificativa suficiente para a vida humana. Em um primeiro momento, pensa-se na vida e em seus valores de forma positiva: construir muito, aproveitar tudo e possuir o máximo. Daí, a gente vê como está a vida nos dias de hoje: corremos contra o tempo para dar conta de trabalho/estudo/família/namorado/amigos/lazer/outras-coisas em busca, muitas vezes, de pequenos momentos de felicidade.

Depois de mencionar tantas coisas positivas da vida humana, vem a questão da efemeridade da vida. Diante dessa realidade, tudo passa a ser visto como coisa vã. Daí vem a máxima: "Tudo é vaidade" que nos leva a perceber que tudo passa e apenas nossos valores e princípios serão perpetuados.

Diante desse fato previsível e certo, todas as ocupações humanas, bem como suas conquistas, têm de ser reavaliadas. O tolo, "personagem" muito mencionado em Provérbios e Eclesiastes, vive o presente e ignora o futuro. Esta atitude pode afetá-lo de tal forma que venha a ser negligente em relação ao trabalho, aos estudos e aos projetos em geral. Mas a sabedoria nos leva a considerar o futuro e cabe lembrar aqui o que Cristo ensinou condenando a ansiedade pelo dia de amanhã (Mt.6.34), mas valorizando o planejamento (Lc.14.38-32).

Em 2011, eu aprendi que "só por hoje" eu vou cuidar de mim, vou me preocupar mais com os mesmo valores e minha vida espiritual, com meus amigos e minha família porque isso sim é eterno.

Em 2011, eu aprendi que eu não preciso me desesperar por causa de alguma coisa que esteja me incomodando e que eu sei, bem lá no fundo, que não é tão grave assim (tipo a falta de um namorado..rsrsrs) porque, nos 45 minutos do 2º tempo da prorrogação do jogo da vida, Deus vai dar um jeitinho de mudar essa história (e por isso, Ele colocou um garoto lindo sentado no banco da frente da igreja que olhou pra trás e gostou de mim).

Em 2011, eu aprendi que "ninguém cuida melhor da família do que a família" e, por isso, as várias horas jogando conversa fora com mammy na mesa da cozinha enquanto tomamos café e comemos pão-com-margarina depois de um dia intenso de trabalho, são de valor inestimável.

E, principalmente, em 2011 eu aprendi que Deus está lá em cima, sentado no seu poderoso trono. Mas também pode estar aqui do meu ladinho, me ajudando a escrever esse post e a viver a minha vida da melhor forma possível.

Nana, saiba que você é família e, portanto, nas suas próprias palavras, eterna nas nossas vidas! Obrigada por topar fazer parte desta grande (e bagunçada e confusa e maluca, mas adorável) trupe!!!!

Pessoal, a Nana não é novinha só de idade, não! De blog, também!!! Tive o prazer de trazê-la ao mundo do "blogspot"! Então, que tal deixar nós duas felizes e fazer uma visitinha pra conhecer o cantinho dela????? Amigos Virtuais, by Nana Baena.

Bjos e bençãos.
Mirys

2 comentários:

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Nana, ser "novinha" é muito relativo (rs..rs). Se nosso referencial for Matusalém,..., a coisa muda, né, rs.
Bem, sem brincadeiras!
Achei maravilhosa essa sua postagem. Cheia de muita maturidade e conhecimento de vida. Nem poderia ser diferente, pois percebe-se que Deus é o seu "porto seguro". E que dia a dia você se conhece mais. Achei engraçado isso:
"Eu sou uma pessoa ansiosa por natureza, daquela que deixa até calmante nervoso".
É engraçada a associação que você fez, mas é muito importante você admitir isso. Descobriu que fazendo força para equilibrar essa ansiedade você reage melhor aos "desafios" da vida e inteligentemente percebe que as coisas boas e as ruins normalmente saem de dentro do coração da gente.
Vou até parar de escrever senão vou fazer um discurso aqui, e o lugar é para comentários, rs.
Gostei muito desse seu amadurecimento e sua postagem ensinou um pouco de vida para muita gente.
Deus a abençoe.
Beijo no seu coração.
Manoel.

Karina disse...

Nana: tbm sofro desse mal de ansiedade, só que ganhei umas boas doenças junto. Mas Deus vai me ajudar e vai te ajudar tbm. Devagar a gente aprende que tem que relaxar e curtir as coisas simples, e que no final Deus nos surpreende com coisas maravilhosas!!

Mirys:
Que legal que a Nana escreveu!!! tive o prazer de conhecer o blog dela esse ano, junto com o seu!!!

Bjos para os 3 mosqueteiros e para a Nana, convidada especial!!!