segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Hora H 4 - saindo de casa (Diário da Mirys)

Se você perdeu, o começo da história está aqui:

Hora H 1 - o pedido
Hora H 2 - láááááá atrás
Hora H 3 - mundos diferentes

Você já ouviu aquele conto de que a vida é um bordado de Deus e que a gente não entende muita coisa, quando ainda está por aqui, porque estamos vendo o bordado "de baixo" (o avesso), enquanto Deus o cria, lá em cima? Nós só vemos os nós, linhas coloridas, desconexas. Mas Ele vê o produto final! Pois é... tenho essa sensação, em alguns dias...

Apesar de pertencermos a "mundos diferentes" e quase nunca conversarmos (mesmo frequentando os mesmos lugares e nos conhecendo desde pequenos), aquela conversa com o H na internet, em meados de julho de 2011, tinha sido bem legal. No começo, foi um choque do tipo: "O HHHHHHH???", "Ele está me chamando pra conversar?????", "No facebook???????", "Nesse horário??????". Mas era! Era o H, naquela rede social, naquela hora (bem tarde), ME chamando pra conversar com ele.

A conversa foi cheia de amenidades do tipo "como vai a vida?". E cheia de momentos complicados do tipo "como está sendo esse período de viuvez?". Porque ele conhecia a minha história e não adiantava querer fingir que não era quem eu era, ou que não tinha vivido o que eu tinha vivido. Ele me conhecia, ele conhecia as crianças, ele tinha tocado / conversado / convivido com o Fer. E foi muito bom conversar com alguém que era "novo e diferente" (porque eu não costumava conversar com ele. Nunca!), mas para quem eu não era totalmente desconhecida. Não precisar ter que contar toooooda a minha história ou a história do acidente era um alívio!

Ficamos de nos falarmos, "qualquer hora dessas", mas meses se passaram e a gente não se falou. E acho que teria ficado tudo assim se...

Numa noite de sábado (mais ou menos, em agosto de 2011), quando eu já estava naquela minha fase de reclamar (pra Deus) de estar sozinha, mas não fazer nada de prático para mudar isso, uma amiga me ligou. "Mirys, tô num barzinho. Vem pra cá, colega!".

Na época, eu tinha um mega plano super bem elaborado para a minha vida! Porque não adiantava nada ficar reclamando de solidão e ficar pedindo pra Deus me providenciar alguém, se eu não saia da rotina casa/trabalho/casa/finaldesemananacasadospais. Toda minha atividade social era ir em festas de crianças (adoro!!!) e de pessoas da família. Nada que envolvesse ninguém novo, no meu mundo!!! Como eu esperava que alguma coisa acontecesse??? Como??? Que alguém descesse pela chaminé da casa dos meus pais e caísse sentado no meu colo??? Então, eu DE-CI-DI que iria sair mais. Estava resolvida! Era um plano brilhante: sair mais, de finais de semana, ver pessoas diferentes, conversar com gente solteira, ver a vida lá fora e aguardar que tudo se resolvesse! Mas... lembram que eu era perfeita na teoria e uma catástrofe na prática? Pois é... meu brilhante plano ficava só no papel, mesmo...

Naquela noite de sábado, eu voltava de Bauru, com as crianças, umas 23hs, direto de uma festa de um tio mais velho para a casa dos meus pais. Minha programação era colocar duas pessoinhas na cama e encontrar algo que valesse a pena na TV. E esperar o próximo final de semana! "Ah! Porque NO PRÓXIMO SÁBADO, eu vou ter que fazer alguma coisa...." Fraude! Fraude, fraude, fraude! Eu era uma fraude!

Por isso, quando o celular tocou e eu recebi o convite da minha amiga M, eu automaticamente respondi: "ah... eu estou no meio da estrada Bauru - Jaú, vindo de uma festa. As crianças já estão dormindo e eu acho que vou pra casa, coloca-las na cama. Mas obrigada por convidar...". Pra minha sorte, minha amiga insistiu e eu pensei #PARATUDOAGORA!!! "Miriane Segalla, a senhorita vai sair, sim! Vai chegar em casa, vai colocar duas crianças na cama, vestir um vestido liiiiiiindo, fazer maquiagem, trocar o salto, passar perfume e S-A-I-R!!!" Pronto! Minha cabeça estava funcionando de acordo com o meu plano! Perfeito! Então, respondi:

"- M, me espera aí, que eu vou, sim!"
"- Ótimo Mirys, então a gente te espera!"
"- A gente?... M, você não está sozinha?..."
"- Não, Mirys. To com o H. E a Ma vem vindo, também. Vem logo pra cá que a gente está te esperando! Precisamos colocar a conversa em dia!"

E eu fui. Sabendo que o H NÃO TINHA pedido para a M me chamar. Eles, sim, eram amigos, mesmo. De longa data. E era super normal que eles estivessem conversando em algum lugar. Então, eu fui... sem nem imaginar o que aquela noite me reservava...

Cenas do próximo capítulo aqui.

12 comentários:

Ro e Va Monteiro disse...

Uau !!!!
bjinhos e boa semana !!!
vanessa

Tami Fonseca disse...

...anciosa,contaí.
bjs

Fah disse...

Eita, que a ansiedade pelo próximo capítulo já voltou!

Humberto Alves disse...

Na verdade, eu e a M conversamos sim sobre você, e falei, vamos chamar a Mirys? afinal, sabia que dificilmente você aceitaria sair comigo se o convite partisse de mim. Como chamaria você pra sair, se não fosse por intermédio de uma amiga em comum? Afinal, para que servem amigos em comum? heim?

Claudia disse...

Mirys conta tudo, por favor, beijos... anciosa.

Anônimo disse...

Myrisssssss, que bom que voltou!
Estava ansiosa pelo restante da história.
Aguardando a continuação...
Beijos

Morena disse...

Ai morri de ansiedade!!!
Mas que bom que vc saiu! Sim a gt se auto-sabota váriiiiiiiiiiias vezes!!!Mas quando tem que acontecer vem esse surto aí!!!

Beijos saltitantes
Boa semana

Thais Markevich disse...

Ai, que emocionante!!!! Adorei o "por trás das cenas"do H.pra gente poder equilibrar a história!!!*-*

Anônimo disse...

Estou lendo seu blog e amando.

Ansiosa pelo próximo capitulo,

Ilmara disse...

Eba!!! Vc voltou com a Hora H, para nooooooossa alegria...kkkk. Bjo!

Anônimo disse...

lovestory up to date!
que frisson!
menina abençoada!(você)
............
H.A. que sorte a sua!(ele)
que o amor cresça em vós..

abraço-os
odila

Nana disse...

Conta mais...conta mais...bj e fk c Deus.