quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Era uma vez 30 - "Eu te espero" (Diário da Mirys)

Podia ser que aqueles documentos nem chegassem em Paris a tempo!... E deixa eu te contar que, na Europa, não existe o tal jeitinho brasileiro!!! Se os documentos chegassem com um minutinho de atraso, estariam ATRASADOS e não seriam aceitos. Então, eu e o Fer colocamos tudo bonitinho, traduzidinho, arrumadinho no envelope da DHL, cruzamos os dedos e esperamos...

Os documentos chegaram, na casa da Sophie, às 4hs da tarde da quinta-feira. Ela saiu correndo e conseguiu fazer minha inscrição na faculdade de direito!!!

Quando ela ligou pra contar que os papéis pras inscrições (faculdade de direito, escola de francês e centro de intercâmbio) tinham chego, eu e o Fer sabíamos que era a hora de sentar e conversar sério sobre o assunto. Porque a gente vinha vivendo “como se isso não estivesse acontecendo”, como se fosse só um sonho, ainda, e não uma possibilidade.

Eu: “Fer, a gente precisa conversar sobre a França...”
Fer: “Calma, Mirys. Tem taaaaanta coisa pra acontecer, ainda. A gente não precisa de desgastar já.”

Ele tinha razão. Ele sabia que eu SÓ iria se fosse pra fazer o mestrado. E, para isso acontecer, eu tinha que (a) ser aceita no mestrado, (b) ser aceita no curso de francês para poder encontrar uma família com a qual eu moraria e para quem trabalharia, (c) encontrar uma família que topasse não ter uma babá à disposição 100% do tempo, mas que estudaria numa faculdade também, (d) juntar dinheiro para pagar a passagem. Era muita coisa!!!

Fui ver minhas economias de trabalhar um ano quase em São Paulo. Quase dava! Então, meu chefe (aquele, o bravo), que tinha um coração maior do que ele, me disse que me mandaria embora e pagaria todos os extras que eu teria direito. O dinheiro dava!!!

Eu: “Fer, a gente precisa conversar sobre a França...”
Fer: “Calma, Mirys. Ainda falta muita coisa...”

Numa tarde, chegando em casa, recebo uma cartinha da escola de francês: eu tinha sido aceita!

Eu: “Fer, a gente precisa conversar sobre a França...”
Fer: “Calma, Mirys. Você não vai sem o curso de direito, vai? Ainda falta muita coisa...”

Noutro dia, a gente recebe a resposta da faculdade de Paris: eu tinha conseguido!!! Em meio a quase 10 mil candidatos, de vários países, eles tinham topado dar uma chance para essa brasileirinha que vos escreve! Era inacreditável!!! Mas, eu não teria como me manter lá, então...

Eu: “Fer, a gente precisa conversar sobre a França...”
Fer: “Calma, Mirys. Sem a família francesa, você não tem dinheiro, nem onde morar. Ainda falta alguma coisa...”

Só que, numa tarde de sábado (que, graças a Deus, eu fiquei em São Paulo) o telefone tocou. Era uma francesa chamada Anne, mãe de gêmeos de 7 anos, que me ligou falando um francês devagar e fácil de entender. Conversamos também em inglês. Ela falando devagar, pausado, pronunciando cada palavra. Eu, pra variar, aceleradíssima! Era surreal aquilo de estar conversando com alguém do outro lado do mundo!!! Desligamos o telefone. E eu sabia que precisava conversar com aquele moço que nem me olhava no rosto, naquele momento... ele lia uma revista, no sofá, como se aquilo não fosse nada, nem fosse mudar radicalmente o nosso próximo ano. Porque uma coisa era morar em cidades separadas e ter que viajar por 3 horas, quando a saudade batesse. Outra coisa, bem diferente, era morar em continentes diferentes... por, no mínimo, um ano...

Eu: “Fer...”
Fer: “Eles ligaram, não foi?...”
Eu: “Foi...”
Fer: “E aí? Você gostou da voz, do que conversou?”
Eu contei a conversa.
Fer: “Você falou pra eles da faculdade de direito?...”
Eu: “Falei, Fer. Eles também fizeram direito. A casa deles é 4 quadras da faculdade.”
Fer: “E eles toparam??? Toparam você fazer seu curso extra??” (sinceramente feliz por mim)
Eu: “Ela me disse que a gente pode organizar os horários e eu posso ajudar na casa nos finais de semana, também. O marido dela é apresentador de TV e eles têm muitos convites para eventos aos finais de semana. Eu perderei meus sábados e domingos, mas... poderei fazer meu mestrado.”
Fer: “Que bom!!! Que incrível!!! Parabéns!!!!”

Silêncio...

Eu: “Mas, Fer... e a gente?”
Fer: “Pode ir, Mirys. É o seu sonho. Vai. Vai que eu te espero!”

Naquele dia, naquela frase, eu decidi que me casaria com aquele garoto!

Cenas do próximo capítulo aqui.

13 comentários:

Renata Marques disse...

Ai Myris, que emocionante!

Alice Mânica disse...

Que capítulo lindo!

Acho que vou contar a minha história com o Beto também. Porque quando cogitei voltar pra Brasília e estudar pra concurso, fui conversar com ele. E antes que eu começasse a falar, ele perguntou "Então, quando você vai?". Me deu força, mesmo sem a gente saber qual seria o próximo passo. E 2 meses depois me ligou pra dizer que ia trancar a faculdade e se mudar pra Brasília também. Era pra casar, né?! E por isso que quando ele precisou voltar a Porto Alegre, foi natural que eu fizesse o possível pra conseguir vir com ele!!!

Ana Artigas disse...

Nossa Mirys, que lindo!!!!!!
Bjos
Ana

Nanda disse...

Ah, cara.. que linda história... E quando as coisas tem que acontecer, elas realmente adquirem uma força que ninguém entende, não é?
Vc viveu tanta coisa boa ao lado do seu Fer... Sozinha na França, que deve ter sido uma experiência incrível, tenho uma grande amiga que passou extaamente por isso, fez o doutorado em Bordeaux!
E hoje, vc vive feliz ao lado dos seus babies... Mas, a vida ainda te guarda surpresas maiores e melhores, assim espero!
Bjs!!!

Adriana Engelmeyer disse...

Lindo e emocionante...

Kinha disse...

Chorei! Amor assim é difícil de ver.

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Mirys, prova de amor, maior não há!
Beijos e bençãos.
Manoel.

Gisela/Artes da Gica disse...

Myris, estou acompanhando cada capítulo.
Esse me arrepiou. E continuo enquanto escrevo....
A calma, a paciência com que ele lidou com tudo, incrível!
Um lindo e grande amor!

Beijos

Sheila Mendes disse...

Mirys, que lindo!! Isso foi uma "baita" demonstração de amor do Fer. Sem dúvida alguma.
Bjo.

Sheila Mendes disse...

Mirys, que lindo!! Isso foi uma "baita" demonstração de amor do Fer. Sem dúvida alguma.
Bjo.

Rafaella disse...

Que fofo....
Que bom que ele te apoiou...
Queria te ver feliz!!!
Muito bonito da parte dele em te apoiar...

Juci disse...

Perfeito!!!
Quero muito ter a oportunidade de viver um amor tão completo como o seu.

Ilmara disse...

Impossível não ver a mão, o cuidado de Deus em sua vida...que linda história!!!