quarta-feira, 25 de julho de 2012

Interlúdio 13 - URGÊNCIA! (Diário da Mirys)

Depois que você vê a morte bem de pertinho, quando alguém “improvável” (jovem, saudável, no auge) morre, dá uma urgência absurda em quem fica!

Urgência de viver!
Urgência de dizer que ama praqueles que ainda estão aqui!
Urgência de perdoar, de aceitar perdão!
Urgência de estar junto com todo mundo!
Urgência de fazer parar o tempo e aproveitar cada segundo!

Eu vivi isso e quase todo mundo que estava ao meu redor viveu, também. Das minhas quatro irmãs que poderiam se casar (as outras ou já estavam casadas ou são muito novas), todas se casaram, num prazo de 13 meses, após o acidente que me deixou viúva. Algumas amigas se aventuraram a ter filhos (ou mais filhos) e pararam de ficar pensando tanto “quando eu terminar a 3ª pos graduação” ou “quando eu tiver bastante dinheiro”. Ouvi diversos relatos de pessoas dizendo que reestabeleceram seus relacionamentos porque não valia a pena ficar brigado com o marido/a mulher por tão pouco. Vi pessoas que passaram anos sem se falar ou se agredindo verbalmente, levantarem a bandeirinha branca e conviverem de um jeito bárbaro, a partir de então. Coisas ótimas aconteceram após o acidente, porque todo mundo ficou com URGÊNCIA DE VIVER DIREITO! Em paz, sem mágoas, com a pessoa que amavam, o mais perto possível.

Pra mim, as urgências eram um pouco diferentes. Eu quis escrever a minha história pras crianças, pra que eles soubessem a minha versão dos fatos e o quão incrível o pai delas era (por isso, comecei o blog). Eu quis acertar todas as pendências financeiras e abri uma poupança pra cada filho. Duas pra cada um, na verdade. Eu fiz uma listinha com senhas e contas e poupanças e logins e deixei com uma amiga muito querida, pra ninguém passar apuro, “caso eu fosse embora, também”... Porque quando você perde seu marido assim, aos 35 anos, numa noite normal, após um dia comum, sem nada pra anunciar... você acha que qualquer um pode ir embora a qualquer momento. Inclusive você! Então, você se garante!

E eu tirei muitos planos do papel! Eu viajei (por mais que doesse), eu visitei amigos, eu liguei pras minhas avós pelo menos 2 vezes por semana, eu criei rituais (tipo: o de sempre ir na casa de uma delas – avós, quando eu chegasse, nos finais de semana), eu bolei festas de aniversário surpresa pra um monte de gente querida, eu investi meu tempo e minha energia nas pessoas!

No meio da minha lista de coisas urgentes a fazer só não tinha um novo relacionamento. Porque, no momento, não dava. Eu não concebia isso... Eu ainda precisava de tempo, minha família precisava de tempo, meus sogros e meu cunhado precisavam de tempo.

Mas eu sabia, no fundinho de mim eu sabia, que SE e QUANDO viesse seria assim: urgente!
Me desculpe quem pensar diferente, mas eu não tenho mais tempo a perder nessa vida, não!

Cenas do próximo capítulo aqui

10 comentários:

Tami Fonseca disse...

Ler seus relatos tem me ajudado muito á procurar ser melhor hoje e não adiar.
Bjinhus

Vanessa Santos disse...

Me emocionei mais uma vez, e só tenho duas palavras pra você SEJA FELIZ!

PEDROCA CARA DE TABOCA disse...

Caramba sua história de vida me emociona ...

Claudia disse...

Mirys como está ótimo ler esses interlúdios, me vejo em cada post e essa urgência que como vc bem relatou eu tb passei a viver para minha filha. Mas confesso que esqueci um monte de mim... estou aos poucos comprando roupas novas, to querendo me cuidar. A gente precisa se cuidar né. Beijos.

Das coisas que vejo e gosto. disse...

Oi Flor!
Tô lendo tudinho, tudinho mesmo.
Tô na torcida aqui, viu?
Deus é poderoso demais. Ele sabe da nossa urgência... E com Ele no comando tudo acontece na hora certa.
Beijos,
Selma.

Haydil disse...

Ah, MIRYS, como ler o seu blog me faz bem, me faz companhia, obrigado por conversar comigo! (Li os últimos interlúdios, depois da festa, agora, de um só folego, tá parecendo novela, estou aguar dando os próximos capítulos!!!!) Beijos.

Paula Decco Frederico Franco disse...

SEMPRE me emociono lendo seu blog! É simplesmente inspirador!

Gisela/Artes da Gica disse...

Aê! Mirys, era nessa parte que eu estava esperando você chegar! Olhar pra você, pro seu coração e tentar guardar aquela dor num cantinho e tentar viver um pouco.

Ansiosa pelo próximo capítulo!

Beijos mil

Déa Correa disse...

È isso aí, a vida continua e o importante é continuar vivendo com tudo que há para ser vivido, até um novo amor...O tempo é implacável, ele não para....

Mônica Japiassú disse...

Estou adorando esses interlúdios, Mirys!
Torço MUITO pela sua felicidade!
Estou ansiosa pelos próximos! :)

B-jão!