sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

{ 1 + 1 = 6 } “Filho...a mamãe quer namorar. Pode?” (Diário da Mirys)



Capítulo 9.

Filha número 1: ok!
Resolvido, contado, caso encerrado, feito, deal, pronto. Ok!

Eu já tinha contado pra Nina que eu tinha começado a namorar. Agora, não ia dar pra enrolar mais: o Guigo precisava saber. Já! Mas, com ele, eu precisaria ser mais cuidadosa...

Ele tinha 5 anos, quando o acidente aconteceu. Ele tinha tido mais vivência com o pai, ele tinha lembranças por ele mesmo, ele nunca tinha me pedido uma foto para se lembrar do rosto do Fer (como a Nina fez por tantas e tantas vezes – ela tinha completado 3 anos). Além disso, ele já tinha me pedido para não chorar, ele era mais introvertido, ele sempre falou menos sobre ele mesmo (a Nina tagarela e se resolve), ele sofreu mais com detalhes tipo ver fotos do pai espalhadas num local e me pedir para não voltar lá. Ele era mais sensível e eu tinha que ser mais sensível com ele, também.

Nós já tínhamos conversado duas vezes sobre o assunto “namorado”. Eu só me arrisquei a falar sobre o assunto com ele, quando eu mesma me senti preparada para voltar a PENSAR em ter outra pessoa. E lá iam dois anos da minha vida... Na primeira vez que nós conversamos, ele foi categórico: era melhor eu ter só amigos, mesmo! Não sei se ele não sentia confiança na pessoa que tentava se aproximar de mim, não sei se ele estava numa fase “egoísta” e queria a mãe só pra ele, não sei se ele ainda não estava preparado para a mudança. Eu não sei... Por isso fiquei só com o que ele falou pra mim: melhor não. Não agora.

Deixei o tempo passar um pouquinho e nem toquei mais no assunto. Até que, num belo dia, ele mesmo anunciou: “mamãe, você VAI TER um novo namorado!” E disse feliz, sorrindo, em paz. E de cabelo molhado! (coisas de mãe... me lembro desse detalhe como se fosse hoje!)

Nessa altura do campeonato, o H já tinha deixado de ser “o amigo piloto do tio Math” (meu irmão), pra ser o “tio Humberto”. O Guigo via que eu recebia torpedos. Ele via que eu sorria e respondia. Ele viu várias das mensagens, quando eu estava na estrada e ele as lia pra mim. Naquela época, o H era só meu amigo e tentava uma aproximação, então os torpedos eram notícias do dia dele, perguntas sobre o meu, um filme, uma dica de comida, etc.

Mas, pra nenhum de nós (eu, Guigo e Nina) o H era um pretendente declarado! Era um amigo muito querido, alguém bem próximo com quem eu conversava todos os dias, mas nada de mais sério além disso.

Então, quando eu ia colocar as crianças pra dormir e elas terminavam a oração pedindo por um namorado novo pra mamãe, esse tal namorado nunca tinha um nome. Era uma possibilidade. Uma ideia. Uma torcida. Mas, sem nome...

Por isso que, depois de conversar com a Nina e contar a novidade, com as baterias recarregadas com a aprovação dela, eu me enchi de coragem e fui contar pro Guigo. Até acho que meus dedos deviam estar cruzados atrás das costas... porque eu sei que se ele me falasse “mãe, eu não gostaria... eu não estou preparado... eu não acho uma boa ideia...”, era muito provável que eu não fosse continuar com aquilo tudo. Então, eu só podia torcer pelo melhor!!!

Secretamente (e silenciosamente) eu orei: Deus, que o Guigo seja a minha resposta.

“Guigo... filho... eu queria conversar um pouquinho...”
“Claro mãe!”
“Lembra que a mamãe tava orando pra Deus mandar um namorado novo pra mim?”
“É mami, mas ele ia ter que gostar muuuuito da gente, lembra?”

Parei. Respirei. Assimilei. Pensei rápido: continuo ou não???? Decidi que aquela era a hora e não dava mais pra adiar.

“Isso filhote”, concordei. “E a mami queria namorar o tio Humberto... pode?”

...
...
...
...
O mundo parou por um instantinho. O MEU mundo, pelo menos.
...
...
...
...
As cartas estavam todas na mesa. O meu possível namorado tinha nome. Era alguém que o Guigo conhecia.
...
...
...
...
...
Isso tudo durou frações de segundo, mas não dizem que as coisas dependem do referencial?
...
...
...
...
Minhas palavras ecoavam: ““a mami queria namorar o tio Humberto... pode?”... pode?... pode?...
...
...
...
...



“Pode Ele gosta MUITO da gente!”, ele disse, me deu um abraço, um beijo no meio da barriga (do tamanho dele), e voltou, tranquilo, à brincadeira que fazia antes da nossa conversa.





Cenas do próximo capítulo aqui.

Obs: assim como a Nina, cheio de expectativa e com um sorrisão, ele me perguntou, na sequência, se o H tinha filhos, se eu ia me casar com ele e, assim, eles teriam novos irmãos! “A gente adoraria novos irmãos!”



10 comentários:

Rafaella disse...

Ai que benção...
Que bom querida que ele aceitou seu namoro ;)
Que vcs seja muito felizes, e ter o apoio dos filhos nesse inicio é essencial para nós mães ne?!
Lindos e fofos seus pequenos..

Micha Descontrolada disse...

Q FOFO...q bom q ele sabe que o tio Humberto gosta MUITO deles...lindo!!

mto amor pra todos vcs.

Beijosssssssssssssssss
┌──»ʍi૮ђα ツ

Zuleide Felisberto disse...

deve ser muito bom e confortante com a bençãos de Deus e dos filhos, tdo de bom!!

Anônimo disse...

Oi Mirys!! aquece o coração da gente conviver com tuas abençoadas crianças....sua estória com o H fica melhor a cada dia!!!!
um grande abraço nos 6 mosqueteiros!!!
Odila

Lana Ludmila disse...

Ai que fofura seus filhotes!!! Não dá pra não amar... :)

Myris, eu recebi hoje meu super lindo presente... Não tem problema que só chegou agora... Porque eu amei, amei, ameiiiiii!!!!! E veio com as frases que eu escolhi... Frases que me dão sustento!
Como você é sensível e carinhosa...

Lembre sempre que a gente tem só o que merece... E se hoje vc está com uma pessoa legal, tem uma nova familia e está feliz, é porque merece!!!
Um super beijo e um ótimo carnaval pros 6!!!

Unknown disse...

Filhos são mesmo dádivas! Parabéns pelos filhos fofíssimos.

Janaína

Sandra Hellen Kautto disse...

Que alegria!!! Que vc e o H sejam extremamente felizes juntamente com suas duas joias preciosas! Felicidade a nova familia q nasce!! Beijos

Thais Markevich disse...

Mirys, vc tem filhos maravilhosos!!!!
*-*

Morena disse...

Imagino que deve ter sido os segundos maaaaaaaaaaaais longooooos do mundo!!!
mas que feliz que as crianças além de concordarem estão com todo esse amor para dar!!!

Beijos saltitantes
Boa semana

Odila disse...

Mirys essa sua estória está muito boa..nós as leitoras estamos adorando, o que fica muito claro quando se lê os comentários ....
por favor não pare...
conta mais..
estamos juntas nessa viagem..
a gente tem imaginação..
não precisamos de imagem..
Odila