segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

{ 1 + 1 = 6 } Elos... (Diário da Mirys)



Capítulo 7.

Eu passei a tarde toda da sexta-feira olhando pra tela do celular e lendo a mensagem dele. Seria mesmo possível? Eu sabia que ele já gostava de mim desde meados do 2º semestre do ano anterior, mas... quais eram as chances disso ter se transformado tanto assim, em tão pouco tempo de convivência? Se qualquer amiga me contasse uma estória dessas, eu diria: “mulher! É claro que não! Essas coisas não acontecem!” Porque estar APAIXONADO era uma coisa! Fácil, plausível, impulsiva, aceitável. Mas AMAR... ah, amar eram outros 500!...

Por isso, eu precisava ouvir aquela frase. Não apenas ler, mas ouvir. Olhar nos olhos de alguém e escutar o que se tem pra falar. E, naquela noite, eu iria pra Jaú, jantaria com as crianças, colocaria os 2 pra dormir e iria me encontrar com o H... Ele disse que me falaria a tal frase e eu acreditei. Sem pestanejar. Eu esperava por aquilo. Porque eu sou assim: romântica, ingênua, crente. Eu acredito em contos de fadas, em felizes para sempre, em mudar o dia de alguém com uma canção... em um “eu te amo” dito, assim, num rompante. Eu acredito. Fácil, fácil!

Mas eis que a tarde passou, a viagem (da cidade 1 pra Jaú) foi feita, a janta aconteceu, as crianças dormiram, eu estava com o H e a tal frase, tão esperada, não vinha... A gente conversava, ria, se abraçava, falava, falava, falava e... “niente”! Nécas de pitibiriba! Nada da declaração.

“Miriane, sua bobinha...”, minha cabeça me acusava, “é claro que ele não te AMA. Amor é coisa séria. E dizer isso quando não se tem certeza amedronta, assusta, afugenta, não rola... Deve ser isso: ele GOSTA MUITO de ficar com você, de ter você por perto, dos seus mil lados. Ele está APAIXONADO por você. É bem diferente de ‘amar’... mas tudo bem! Você vai ter muito tempo ainda pra isso...”

E achei melhor deixar a noite correr tranquila. Afinal, ele iria embora, naquela madrugada, para Manaus, pra ficar sei lá quanto tempo. Eu é que não ia atrapalhar a nossa última noite por causa de um “detalhe”!!! Ora vejam! Eu tinha pedido tanto tempo por esse alguém, que faria algum sentido desconsiderar tudo o que já se tinha (a sintonia, o aconchego, a vontade de estar junto) só porque ele escreveu uma coisa sem refletir muito e não tinha coragem de falar isso olhando pra mim???? Algo que, eu sabia, ele iria acabar me falando, mais cedo ou mais tarde, se continuássemos juntos? Não, né?...

Resolvi aproveitar nossas últimas horas juntos (por um looooooongo tempo, depois) para conhece-lo melhor. Falamos do DVD que ele tinha escolhido pra tocar (o perfeito “Celine Dion – A decade of songs”), discutimos sobre gostos de filmes, perguntei sobre uma correntinha que ele usava (que tinha ganho do pai, quando fez 15 anos, e não tirou mais do pescoço), contei sobre o meu último Natal, ouvi sobre como é a vida de pilotos de aviões. E a noite passou: tranquila, gostosa, interessante, íntima.

Até quando o alarme tocou. Aqui começa a versão “Cinderela” da minha estória: ele precisaria ir embora, no soar das badaladas do gongo. Blem, blem, blem... (no nosso caso, algo bem mais moderno, do tipo “tutchi – tutchi – tutchi – tarara – tutchi – tutchi – tutchi” ou qualquer outro toque ‘dance’ que vem nos celulares, hoje em dia). Teríamos mais 15 minutos. No máximo! Tempo pra gente se despedir, ele se encontrar com o pai dele (que o levaria até o avião, que ele levaria pro Amazonas) e, plim, eu voltar a usar a roupa remendada, sem nenhum sapatinho de cristal, vendo a carruagem virar abóbora.

E, no meio do último beijo, ele passou a corrente (aquela que ele não tirava, não vendia, não emprestava, não alugava) do pescoço dele pro meu.

“Mas H...”
“Mi, eu quero que você fique com ela. Eu quero que você olhe pra ela e a sinta bem perto de você, em todos os dias que eu vou ficar longe. Porque eu amo você. E quero que você se lembre disso...”

Cenas do próximo capítulo aqui.



9 comentários:

Humberto Alves disse...

"Meu coração pulou,você chegou e me deixou assim com os pés fora do chão, pensei: Que bom! Parece, enfim, ACORDEI!
Pra renovar meu ser, faltava mesmo chegar VOCÊ, assim, sem me avisar!! Pra acelerar um coração que já bate pouco, de tanto procurar por outro, anda cansado! Mas quando você esta do lado, fica louco de satisfação: SOLIDÃO NUNCA MAIS!

Você caiu do céu, um anjo lindo que apareceu com olhos de cristal, me enfeitiçou: eu nunca vi nada igual!
De repente, você surgiu na minha frente! Luz cintilante, estrela em forma de gente, invasora do planeta amor, você me conquistou!

Me olha, me toca, me faz sentir: que é hora, AGORA!!! da gente ir!!"

Eu te amo, minha Mi!

Morena disse...

#morri pq né além do post tem comentário do H!!!
Gente vcs são uns fofooooooooooos!!!
Adorei!!!
Muito tudo de bom para vocês!
Beijos saltitantes

Patty disse...

Oh god! MORRI!!

Anônimo disse...

Querida Mirys, mais um capitulo delicioso...que estória linda vocês dois construiram...que coisa boa de se ler..transmite felicidade.. estou aqui esperando pra saber da interação das crianças e com as crianças...meu coração bate forte por eles...
um grande abraço
odila

Dunia Duara disse...

Que Lindo!!o amor realmente é lindo FELICIDADE pra Familia bjs

Débora disse...

Que lindo,cena de filme, romântico como deve ser !!!
Felicidade merecida.
Beijos

Debby disse...

Yuuuuuu
Gentem estou tendo uma sincope Mirys

Que é isso ?
E porque essa torturosa frase "cenas do próximo capitulo aqui"... me acorda hein ??? kkkk

Parabéns Mirys..
Lindo lindo
Bjs
Debby :)

Debby disse...

Recebeu né ? o outro ?

Bjs
Debby :)

Thais Markevich disse...

Vcs são dois lindos!!!!Muito fofa a história de amor de vcs!!!!